Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

menina dos abraços

um abraço: a melhor forma do amor.

menina dos abraços

um abraço: a melhor forma do amor.

O meu presente.

O melhor (e único) presente da vida: no meio de tudo e no final de tudo, onde o nosso coração repousa, serena, (de)mora. Onde o nosso coração se ilumina, descobre as coisas mais bonitas e encontra tudo o que importa. Onde o nosso coração sorri e (se) abraça. De verdade. Para sempre.

O melhor (e único) presente da vida: o amor, em forma de gente. A nossa. De todos os dias, de toda a vida. Da vida toda.

Avó

IMG_20220516_171844.jpg

Era o sabor a infância e a família reunida.
Era as mãos de trabalho sem fim, os pés sempre descalços, a força que nunca esgotava.
Era o querer dar sempre mais, o querer dar tudo.
Era o refilar engraçado, o correr à volta da mesa e o riso até doer a barriga.
Era a melhor sopa, era só mais um docinho.
Era o trocar-nos os nomes todos, até acertar. "Tu és aquela".
Era o ficar sempre a ver-nos ir, sempre à espera de nos ver voltar.
Era o amor de mãe, de avó, de avó a dobrar.
É para sempre. A iluminar-nos e a abraçar-nos para sempre.

O amor, em forma de gente.

Pessoas que nos abraçam e nos deixam (de)morar.

Pessoas que nos abrigam por dentro da sua mão dada.

Pessoas que nos sorriem do coração e que nos fazem sorrir o coração.

Pessoas que nos olham nos olhos e nos vêem por dentro.

Pessoas que nos curam com beijinhos de ternura.

Pessoas que nos são colo sempre seguro.

Pessoas que nos falam com palavras, com gestos e com silêncios.

Pessoas que nos escutam as palavras, os gestos e os silêncios.

Pessoas que, longe ou perto, nos estão sempre perto.

Pessoas que nos abraçam a alma e que nos sentem o coração.

Pessoas que nos querem bem de verdade.

Pessoas que nos tatuam amor no coração.

Pessoas que nos inspiram a ser do bem.

Pessoas que ainda nos fazem acreditar.

Pessoas que nos são tanto.

Pessoas que nos salvam, mesmo sem saberem. Só por serem, por estarem, por existirem.

*

O lado bonito da vida. De tudo.

O amor, em forma de gente.

*

Que as saibamos agradecer sempre.

E ser também.

Quem consegue ver-te de verdade?

Há sempre alguém que te vê. Que te vê de verdade.

Há sempre alguém que te descobre por dentro. Que te descobre por detrás das barreiras que vais construindo. Que te descobre por detrás de tudo o que o mundo vê em ti e, principalmente, por detrás do que ninguém vê: por detrás dos teus medos, dos teus fantasmas, das tuas dores, das tuas cicatrizes.

Há sempre alguém que te vê. Que te vê de verdade.

Há sempre alguém que te abre a porta e se convida a entrar. Mesmo sem saberes. Mesmo sem quereres. Mesmo que fujas. Há sempre alguém que te ultrapassa e te encontra por dentro. Que te percorre a alma e encontra o que és.

Há sempre alguém que te vê. Que te vê de verdade.

Há sempre alguém que te sorri como quem te abraça, que te dá a mão como quem te resgata, que te abraça como quem te salva e que te olha, por dentro, e te vê. Que te vê de verdade. Sabes?

Mãe

À força estrondosa do amor maior do que o mundo, maior do que a vida.

Ao abraço que se faz sempre morada.

Ao sorriso que embeleza o dia, a vida, o mundo.

Ao olhar que transborda ternura e verdade.

À mão que conforta a alma.

Ao colo que refugia e se faz sempre (e outra vez) morada.

À voz que sossega tudo.

À presença que cura todas as dores, todos os medos e cansaços.

À bondade que ensina o segredo da vida.

Ao amor mais amor do mundo.

Ao amor de todos os amores.

À vida que supera tudo para nos salvar a vida. Todos os dias.

Está de parabéns todos os dias, todos os anos, toda a vida.

O amor existe.

Há quem me abraça sempre a alma e se deixa ficar. E o amor existe. Há quem me dá sempre a mão e se faz sempre perto. E o amor existe. Há quem me sorri sempre com o coração. E o amor existe. Há quem me olha sempre tão de verdade, como quem olha por dentro. E o amor existe. Há quem me beija sempre com a ternura mais mágica. E o amor existe. Há quem me abriga sempre em colo seguro. E o amor existe. Há quem me faz sempre rir de mais uma forma que eu ainda não conhecia. E o amor existe. Há quem me pede sempre para eu ficar mais um bocadinho e mais uma e outra vez. E o amor existe. Há quem me sente sempre e me vê da forma mais bonita: de verdade. E o amor existe. Há quem me ama sempre e se faz sempre morada. E o amor existe. Há quem me faz ser sempre mais lugar de amor. Mais lugar de tudo. De tudo o que importa. E o amor existe.

O amor existe. Acontece-nos todos os dias. Assim. Nas nossas pessoas. Nos gestos que mudam tudo. Por aí. Quase despercebido… Mas tão perto. Tão à vista.

O amor existe. Acontece-nos todos os dias. E salva-nos de todos os dias.

Sobre pessoas bonitas.

Sobre pessoas que nos mostram o lado mais bonito da vida. Que nos mostram até o lado mais bonito de nós. Pessoas que nos mostram o lado mais bonito de tudo. E que, só por isso, nos fazem acreditar que ainda vale a pena. Que tudo isto vale a pena. Sobre pessoas que nos fazem acreditar.

Sobre pessoas que são luz na escuridão. Luz que nos ilumina. E que nos faz brilhar.

Sobre pessoas que são sol nos dias cinzentos.

Sobre pessoas que são paz na tempestade.

Sobre pessoas que são abrigo sempre que os medos nos invadem.

Sobre pessoas que são balão de oxigénio que nos devolve a respiração.

Sobre pessoas que são asas que nos fazem voar.

Sobre pessoas que são pára-quedas que nos ajuda a pousar.

Sobre pessoas que são colo que não nos deixa cair.

Sobre pessoas que são mãos que nos ajudam a levantar. E mãos que se dão às nossas para sempre. Para nos acompanhar.

Sobre pessoas que são abraço de alma. Abraço de coração. Pessoas que são lugar seguro para onde podemos sempre correr. Para onde podemos sempre voltar.

Sobre pessoas que são olhos que nos vêem de verdade. Por dentro do que somos. Pessoas que nos sabem e que nos sentem.

Sobre pessoas que nos ouvem e que nos lêem as palavras, os gestos e até os silêncios.

Sobre pessoas que são sorriso em forma de abraço. Que conseguem fazer-nos sorrir sempre mais uma e outra vez.

Sobre pessoas que são beijinhos que nos curam as dores. Que curam tudo. Pessoas que são ternura.

Sobre pessoas que são magia.

Sobre pessoas que são milagres a acontecer.

Sobre pessoas que são presença sempre. Que, mesmo longe, são sempre perto. Pessoas que nos mostram que o coração não tem distância.

Sobre pessoas que se fazem morada. Que nos fazem morada.

Sobre pessoas que nos são. Pessoas a quem nós somos. Tanto e sempre.

Sobre pessoas que nos tatuam o coração para sempre. Com o que nos dão. Com o que são.

Sobre pessoas que são tanto.

Sobre pessoas em forma de amor.

*

Que saibamos agradecê-las e amá-las. Muito. Todos os dias. 

E que saibamos sê-las. Muito. Todos os dias também.

Elas.

Elas. Foi assim a vida toda, será assim a vida toda: elas. Elas, que já me esperavam quando eu nasci. Não conheci a vida antes delas. E nunca vou saber da vida sem elas. Olho para elas e sei: por mais voltas que o mundo dê e por mais pessoas que nos apareçam no caminho, no final a verdade é sempre esta: somos sempre umas das outras. E umas para as outras. Elas. São elas, quem eu sou.

Nós não nos esquecemos, avó.

IMG-20190810-WA0002.jpg

Nós não nos esquecemos, avó. Continuamos aqui, do lado de cá, sem nunca soltar a nossa ponta do laço forte que une os nossos corações. Todos. Nós não nos esquecemos, avó. Estamos bem aqui, do lado de cá da porta dessa casa onde cuidam de si. Cuidam de si, não cuidam?

Nós não nos esquecemos, avó. A avó não sabe, mas tiveram de fechar-nos a porta, só por agora, na tentativa urgente e desesperada de que aí dentro continue a ser um lugar seguro. A avó também não sabe, mas do lado de cá agora moram o perigo e o medo. As pessoas já não se abraçam, avó. Já não há beijinhos sem aviso, as mãos já não se apertam, os sorrisos estão escondidos. Anda um bicho invisível, maior do que nós, por todo o lado. Avó, ele descobriu, antes das pessoas, que a melhor forma de contagiar é através do amor. E agora escondeu-se em todos esses gestos de amor, que antes nos salvavam sem nós sabermos, e privou-nos deles. Avó: é a única coisa que nos salva, não é?

Mas nós não nos esquecemos, avó. A avó não sabe, mas nós continuamos aqui. Do lado de cá, sem nunca soltar a nossa ponta do laço forte que une os nossos corações. Todos. Nós não nos esquecemos, avó. Continuamos aqui, do lado de cá, nesta espera urgente e angustiante, que nos aperta o coração. Estamos bem aqui, do lado de cá da porta dessa casa onde cuidam de si. Cuidam de si, não cuidam?

Mas é só por agora, avó. Um dia o bicho desiste e vai embora. Um dia voltam a abrir-nos a porta, sem o perigo, sem o medo. Um dia voltamos a entrar para apertar as saudades e a urgência que agora nos apertam a nós. E um dia talvez as pessoas descubram que a melhor forma de contagiar é através do amor. E que todos esses gestos de amor sempre nos salvaram sem nós sabermos. Avó: é a única coisa que nos salva, não é?