Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

menina dos abraços

Um abraço: o meu lugar.

menina dos abraços

Um abraço: o meu lugar.

Nunca um olhar foi tanto.

Nunca um olhar foi tanto. O abraço urgente, o beijo sedento e o sorriso escondido estão, agora, à distância de um olhar. Nunca um olhar amou tanto. Nunca um olhar foi tanto. Ou, deixa-me dizer-te: se calhar, foi sempre. Estávamos distraídos. Ocupados. Apressados. Mas... foi sempre. Um olhar. Um olhar daqueles. Um olhar que se deixa demorar. Um olhar que se cruza, que se chama, que se obriga a parar quando se encontra, e que se olha. Mas que se olha mesmo, por dentro. Um olhar que te percorre como quem te abraça. Um olhar que te toca como quem te dá a mão. Um olhar que te descobre como quem te lê. Um olhar que te pára o mundo como quem te sorri. Um olhar que te arrebata como quem te beija. Um olhar que te inunda como quem te ama. Um olhar que te ama... e que te muda a vida. Nunca um olhar mudou tantos dias, tantas vidas, tantos corações. Nunca um olhar amou tanto. Nunca um olhar foi tanto. Ou, deixa-me dizer-te: se calhar, foi sempre.

7 comentários

Comentar post