Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

menina dos abraços

um abraço: a melhor forma do amor.

menina dos abraços

um abraço: a melhor forma do amor.

Abraçar outras palavras | Abraço, da Di

"Abraçar por dentro

Sentir-te sem te ter, num sentir sem toque nem prazer, que faz de mim vadia no querer... Abraçar no sentir, que desaparece em mim, num ir e vir de intenso prazer, qual rio a invadir o mar.

@mei-te só de te olhar, sem que me visses, sem que me existisses, num algures longe de mim, que aqui e ali estava dentro de ti, num abraço por dentro, que só eu senti."

Palavras da Di, para este "abraçar outras palavras". A Di é palavras do coração. Palavras que vêm do coração e palavras que falam do coração. Ao coração. A Di fala de amor e fala de tudo. E a Di fala com amor. A Di abraça por dentro. Que é só das formas mais bonitas de abraçar. Obrigada, Di.

No final, o que fica?

Aqueles abraços. Que te envolvem a alma. Que te serenam o coração. Que te embalam os sentidos. Que são casa. Como se todo o teu lugar fosse um abraço. Sabes? No final, o que fica são esses abraços.

Aqueles sorrisos. Que te convidam a sorrir. Que te tocam por dentro. Que te mudam o dia, a vida, o coração. Que são amor. Como se tudo o que te salva fosse um sorriso. Sabes? No final, o que fica são esses sorrisos.

Aquelas mãos. Que se dão como quem dá o coração. Que te seguram. Que te abraçam bem. Que são cura. Como se tudo o que precisas fosse uma mão. Sabes? No final, o que fica são essas mãos.

Aqueles olhares. Que te olham de verdade. Que te percorrem a alma e te vêem o coração. Onde te perdes e onde te encontras. Que são eternidade. Como se todo o teu para sempre fosse um olhar. Sabes? No final, o que fica são esses olhares.

Aquelas pessoas. Que são abraço. Que são sorriso. Que são mão. Que são olhar. Que te são. Como se tudo o que te é tanto fossem as tuas pessoas. Sabes? No final, o que fica são essas pessoas.

O amor. Sempre o amor. Como se tudo o que importa fosse o amor. E é. Sabes? No final, o que fica é (só) o amor.

Ser amor.

Quando olhares, olha com amor. Que sejas olhar que resgata. Que sejas olhar de amor.

Quando sorrires, sorri com amor. Que sejas sorriso que salva. Que sejas sorriso de amor.

Quando deres a mão, dá a mão com amor. Que sejas mão que segura. Que sejas mão de amor.

Quando abraçares, abraça com amor. Que sejas abraço que abriga. Que sejas abraço de amor.

Quando beijares, beija com amor. Que sejas beijo que cura. Que sejas beijo de amor.

Quando deres colo, dá colo com amor. Que sejas colo que sossega. Que sejas colo de amor.

Quando rires, ri com amor. Que sejas riso que contagia. Que sejas riso de amor.

Quando falares, fala com amor. Que sejas palavra que acalenta. Que sejas palavra de amor.

Quando escutares, escuta com amor. Que sejas escuta que sente. Que sejas escuta de amor.

Quando silenciares, silencia com amor. Que sejas silêncio que toca. Que sejas silêncio de amor.

Quando sonhares, sonha com amor. Que sejas sonho que transforma. Que sejas sonho de amor.

Quando fizeres, faz com amor. Que sejas gesto que abraça. Que sejas gesto de amor.

Enquanto existires, sê com amor. Que sejas vida que ama. Que sejas vida de amor.

Que sejas amor.

Por favor.

Abraçar outras palavras | Abraço, do Malik

"Um abraço

Preciso do teu abraço terno,

quente de carinho e sentido,

quem me dera fosse eterno,

sinal que estava contigo;

Um abraço sem pudor

mitigando esta ansiedade,

embrulhando muito amor,

matando tanta saudade;

Quando nele te enlaço

não mais sou um solitário,

no silêncio do nosso abraço

cabe todo um dicionário..."

Palavras do Malik, para este "abraçar outras palavras". O Malik é poesia. É poesia que brota do coração, é poesia que transborda da alma. E que toca, directamente na alma também. O Malik é poesia que abraça. É poesia de magia. Uma magia que se sente, cúmplice. Obrigado, Malik!

A verdade (do abraço) do coração.

Talvez o coração tenha sido feito para abraçar.

E talvez, quando abraça, seja sempre para sempre.

Talvez seja esse abraço aquilo que fica, mesmo quando se voa.

E talvez, mesmo quando se voa, seja esse abraço a forma mais bonita de ficar.

A forma mais bonita de amar.

Talvez, mesmo quando se voa, seja esse abraço o nosso lugar.

E talvez seja esse o nosso lugar para sempre, mesmo quando temos de voar.

É urgente o amor.

É preciso abraçar com a urgência de quem não larga mais. É preciso dar as mãos com a urgência de quem dá o coração. É preciso olhar nos olhos com a urgência de quem se encontra por dentro. É preciso sorrir com a urgência de quem abraça o coração. É preciso ser colo com a urgência de quem respira amor. É preciso beijar com a urgência de quem toca a alma. É preciso falar com a urgência de quem diz com o coração. É preciso ser silêncio com a urgência de quem é feito de sentir. É preciso curar lágrimas com a urgência de quem salva (de) tudo. É preciso rir com a urgência de quem contagia a vida. É preciso brilhar no olhar com a urgência de quem se deixa arrebatar. É preciso ser das nossas pessoas com a urgência de quem se faz morada. É preciso demorar no que importa de verdade com a urgência de quem faz o mundo parar. É preciso amar com a urgência de quem é amor para sempre. É preciso ser amor com a urgência de quem ama para sempre. É preciso o amor com urgência. É urgente o amor. Tanto. E sempre.

Para ti. Talvez...

Talvez o encontres noutros braços, talvez o apertes noutro abraço.

Talvez o encontres noutras mãos, talvez o abraces noutro toque.

Talvez o encontres noutros olhos, talvez o vejas noutro olhar.

Talvez o encontres noutros risos, talvez o sintas noutro sorriso.

Talvez o encontres noutros regaços, talvez o guardes noutro colo.

Talvez o encontres noutras palavras, talvez o escutes noutra fala.

Talvez o encontres noutras lágrimas, talvez o toques noutro sentir.

Talvez o encontres noutros gestos, talvez o tatues noutra vida.

Talvez o encontres noutras almas, talvez o ames noutro coração.

Aqui... (quase sem querer) parece que voou.

Talvez... 

Se aqui voou, talvez voe para sempre.

Ou então, talvez um dia volte a pousar e te encontre a ti.

Talvez...