Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

menina dos abraços

um abraço: a melhor forma do amor.

menina dos abraços

um abraço: a melhor forma do amor.

Os anos passam.

Os anos passam. Que saibas olhar bem para ti. Para dentro de ti. Que saibas percorrer cada pedaço do teu coração, onde guardas (só) o que importa. O que importa de verdade: Que saibas morar em cada abraço. Que saibas abraçar cada mão dada. Que saibas entregar-te em cada olhar. Que saibas sentir cada sorriso. Que saibas curar em cada beijo. Que saibas amar as pessoas. As tuas pessoas. As que ficam. As que ficam sempre. Para sempre. (E que saibas, também, que afinal as tuas pessoas não são tantas assim.) Que saibas tatuar corações com a tua vida. Que saibas deixar que outras vidas te tatuem o coração. Que saibas agradecer cada milagre. Que saibas encontrar força para cada tempestade. Que saibas viver e ser, sempre, com o coração. Que saibas viver e ser, sempre, com amor. Todos os dias. Porque, enquanto os anos passam, é só isto que fica. E que te salva. Sempre. Para sempre. Que o saibas, também.

Sei lá.

Eu sei lá em que dia da semana vamos. Sei lá qual é a estação do ano. Sei lá. Talvez nem sequer queira saber. Eu sei lá porque dizem que estou louca. Sei lá. Já não sou quem fui, sou outra. Sei lá. Pergunta-me amanhã, talvez eu saiba responder. E eu juro, eu prometo, e eu faço e eu rezo, mas no fim o que sobra de mim? E tu dizes coisas belas, histórias de telenovelas, mas no fim tiras mais um pouco de mim. Então força, leva mais um bocado, que eu não vou a nenhum lado. Leva todo o bom que há em mim. E eu não fujo, eu prometo, eu perdoo e eu esqueço, mas no fim o que sobra de mim? Mas tu sabes lá das guerras que eu tenho. Tu sabes lá das canções que eu componho. Tu sabes lá. Talvez nem sequer queiras saber. Mas tu sabes lá da maneira que te amo. Tu sabes lá, digo a todos que é engano. Tu sabes lá. Pergunto-te amanhã, mas não vais saber responder. E eu juro, eu prometo, e eu faço e eu rezo, mas no fim o que sobra de mim? E tu dizes coisas belas, histórias de telenovelas, mas no fim tiras mais um pouco de mim. Então força, leva mais um bocado, que eu não vou a nenhum lado. Leva todo o bom que há em mim. Que eu não fujo, eu prometo, eu perdoo e eu esqueço, mas no fim o que sobra de mim?

O melhor presente do mundo

O melhor presente do mundo vem em forma de abraço que te envolve e te guarda bem dentro, por inteiro. O melhor presente do mundo vem em forma de mãos que te chamam para si e não te sabem largar mais. O melhor presente do mundo vem em forma de olhar que te estremece o coração, enquanto te descobre por dentro. O melhor presente do mundo vem em forma de sorriso que te abraça o coração e se tatua nele para sempre. O melhor presente do mundo vem em forma de beijo que te toca a alma e te cura tudo. O melhor presente do mundo vem em forma de coração que te abriga com sabor a casa. O melhor presente do mundo vem em forma de pessoa que se faz tua, que te faz sua. O melhor presente do mundo vem de forma subtil e pequenina e, ao mesmo tempo, estrondosa e maior do que o mundo. Revira tudo. Muda tudo. O melhor presente do mundo vem para te salvar. O melhor presente do mundo vem em forma de amor.

E o melhor presente do mundo vem em forma de ti. És tu. Quando vives, quando és, com amor. Quando amas. O melhor presente do mundo é sempre o (teu) amor. Sabes? Experimenta. Faz milagres. Muda mundos. Sê Natal. Feliz Natal.

Um presente para o mundo.

Imagina que podias dar um presente ao mundo para o tornar um mundo melhor. Um presente. O que lhe darias?

Desafiei algumas pessoas a responder a esta pergunta para, juntos, aquecermos corações neste Natal. Resultado? Acabaram por me aquecer o coração a mim.

É isto... a magia e o milagre do Natal.

Deixem-se encantar.

Sejamos Natal. 

Deixa-me contar-te um segredo.

Há sempre mais um olhar para olhar. Escondido, por aí algures. À espera que o olhes. Para te olhar tão fundo, tão dentro. Há sempre mais um sorriso para sorrir. Escondido, por aí algures. À espera que o sorrias. Para te fazer sorrir de mais uma forma que ainda não sabias, ou que já sabias sem saber. Há sempre mais umas mãos para enlaçar. Escondidas, por aí algures. À espera que as enlaces. Para te arrepiarem os sentidos, enquanto se abraçam às tuas. Há sempre mais um abraço para abraçar. Escondido, por aí algures. À espera que o abraces. Para te envolver inteira e te abraçar o coração. Há sempre mais um beijo para beijar. Escondido, por aí algures. À espera que o beijes. Para te curar e te tatuar a alma. Há sempre mais um coração para amar. Escondido, por aí algures. À espera que o ames. Para te salvar de tudo, para sempre. Há sempre mais... há sempre mais tanto mais. Escondido, por aí algures. À espera, sempre, de ti. Para ti. Só precisas saber encontrá-lo. E deixar-te encontrar. E deixa-me contar-te um segredo: só o farás bem com o coração.