Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

menina dos abraços

um abraço: a melhor forma do amor.

menina dos abraços

um abraço: a melhor forma do amor.

(im)possível

Abraça-me. Abraça-me só, o teu coração colado ao meu. Parece impossível que só um abraço chegue, não é? Mas chega. Dá-me a mão. Dá-me só a mão, a tua mão a abraçar a minha. Parece impossível que só uma mão chegue, não é? Mas chega. Olha-me. Olha-me só, os teus olhos dentro dos meus. Parece impossível que só um olhar chegue, não é? Mas chega. Sorri-me. Sorri-me só, o teu sorriso a chamar o meu. Parece impossível que só um sorriso chegue, não é? Mas chega. Beija-me. Beija-me só, o teu beijo a estremecer-me o coração. Parece impossível que só um beijo chegue, não é? Mas chega. Fica-me. Fica-me só, tu na minha vida, no meu coração. Parece impossível que só o ficar chegue, não é? Mas chega. Ama. Ama só, o teu amor a mudar tudo. Parece impossível que só o amor chegue, não é? Parece impossível que só o amor chegue para tornar possível até o impossível, não é? Mas chega. Tanto. E sempre.

E depois há o amor.

E depois há um olhar que te encontra e te olha por dentro de verdade. E depois há um sorriso que te encontra e te arrebata de verdade. E depois há um abraço que te encontra e te envolve inteira de verdade. E depois há um peito que te encontra e te aconchega de verdade. E depois há um beijo que te encontra e te toca de verdade. E depois há umas mãos que te encontram e te apertam de verdade. E depois há alguém que te encontra e te faz sua de verdade. E depois há o amor que te encontra e te ama de verdade. Ou melhor, há o amor que te encontra e te ama. Ponto. Porque o amor - ouve bem: O AMOR - não há como não ser de verdade. E depois há o amor que te encontra e te ama. E te salva. De verdade.

Talvez o amor seja tudo o que importe.

Talvez um abraço te seja casa. E o mundo fique mais bonito. Talvez uma mão te abrace os sentidos. E o mundo fique mais bonito. Talvez um olhar te olhe dentro da alma. E o mundo fique mais bonito. Talvez um sorriso te cative o coração. E o mundo fique mais bonito. Talvez um beijo te cure de tudo. E o mundo fique mais bonito. Talvez um colo te mostre a forma do amor. E o mundo fique mais bonito. Talvez um silêncio te conte o segredo da vida. E o mundo fique mais bonito. Talvez uma cumplicidade te tire a respiração e te salve ao mesmo tempo. E o mundo fique mais bonito. Talvez um coração te sinta de verdade. E o mundo fique mais bonito. Talvez alguém te tatue para sempre o coração. E o mundo fique mais bonito. Talvez o amor, um só segundo de amor. E o mundo fique mais bonito. Talvez o amor importe. Ou, deixa-me dizer-te, talvez o amor seja tudo o que importe. E, assim e só assim, o mundo fique mais bonito.

Sobre o tudo, no meio do nada.

Sobre o que ainda é sol, no meio da tempestade. Sobre o que ainda é luz, no meio da escuridão. Sobre o que ainda abraça, no meio do que atormenta. Sobre o que ainda sossega, no meio do que agita. Sobre o que ainda abriga, no meio do medo. Sobre o que ainda é colo, no meio do que cansa. Sobre o que ainda dá vida, no meio do que sufoca. Sobre o que ainda cura, no meio do que dói. Sobre o que ainda é sorriso, no meio do sofrimento. Sobre o que ainda é esperança, no meio do desalento. Sobre o que ainda cuida, no meio do que desampara. Sobre o que ainda é bom, no meio do mal. Sobre o que ainda é milagre, no meio da tragédia. Sobre o que ainda segura, no meio do que desaba. Sobre o que ainda completa, no meio do que se parte. Sobre o que ainda resgata, no meio do que se perde. Sobre o que ainda é para sempre, no meio do que acaba. Sobre o que ainda demora, no meio do que foge. Sobre o que ainda aquece, no meio do que gela. Sobre o que ainda sente, no meio do mundo. Sobre o que ainda ama, no meio do desamor. Sobre o que ainda salva, no meio de tudo. Sobre o que de verdade importa. Sobre o tudo, no meio do nada.

Como se espera?

Pedem-nos, dizem-nos, que esperemos. Nós sabemos que temos de esperar. É preciso. É urgente. Tem de ser. Mas... como se espera? Como se espera, se aquele abraço anseia, se aquele abraço nos aperta por dentro de falta, se aquele abraço é urgente? Ninguém nos diz, ninguém nos ensina, ninguém sabe. Como se espera?

Levanto os olhos e, ao longe, vejo-te. Estás mesmo ali, estás aqui, mesmo à minha frente. Olhas-me. Nunca um olhar nos invadiu tanto, por dentro e por fora. Nunca um olhar nos abraçou tanto. Nunca um olhar amou tanto. Vejo-te. Olhas-me.

Mas, e agora, como se espera? Como se espera, se aquele abraço funde tudo o que guardamos cá dentro na urgência de sentir? De sentir alguma coisa? De sentir alguma coisa que nos faça o coração bater? Que nos permita viver? Como se espera, se é aquele abraço que nos mantém o coração a bater, se é aquele abraço que nos devolve a respiração? Como se espera, se é aquele abraço que nos dá vida, se é aquele abraço que nos salva? Como se espera?

É que às vezes, só às vezes, o amor não pode esperar. Às vezes, só às vezes, o amor é preciso. Às vezes, só às vezes, o amor é urgente. Às vezes, só às vezes... até voltarmos a deixá-lo ganhar sempre, para sempre. E voltarmos a acreditar que os milagres acontecem. Mesmo que, às vezes, o deixemos à espera.