Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

menina dos abraços

Um abraço: o meu lugar.

menina dos abraços

Um abraço: o meu lugar.

No final, o que fica é (só) o amor.

Ficar ali. Bem ao lado. Tão perto. Tão junto. Como se o teu lugar, o teu lugar mais cúmplice do mundo inteiro, fosse ali. Tão perto. Tão junto. No final, o que fica são os segundos eternos em que te deixaste ficar ali. Tão junto para sempre. Um abraço. Onde te encaixas. Onde te aconchegas no bater do seu coração. Onde te embalas no seu respirar. Como se o teu lugar, o teu lugar mais casa do mundo inteiro, fosse um abraço. No final, o que fica são os abraços onde moraste para sempre. Um entrelaçar de mãos. De mãos que se procuram. Que se encontram. Que se dão. Que não sabem largar-se mais. Como se o teu lugar, o teu lugar mais seguro do mundo inteiro, fosse um abraço de mãos. No final, o que fica são as mãos que abraçaste com as tuas para sempre. Um olhar. Que te olha por dentro. Que te percorre a alma e te vê o coração. Onde te perdes. E onde te encontras. Como se o teu lugar, o teu lugar mais secreto do mundo inteiro, fosse um olhar. No final, o que fica são os olhos que amaste para sempre. Um sorriso. Que te convida a sorrir. Que te cativa. Que te abraça. E que muda o teu dia. A tua vida. O teu coração. Como se o teu lugar, o teu lugar mais abraço do mundo inteiro, fosse um sorriso. No final, o que fica são os sorrisos que te abraçaram para sempre. Um beijo. Que sabe a cura. Que faz o mundo parar. E que faz o mundo girar. Como se o teu lugar, o teu lugar mais mágico do mundo inteiro, fosse um beijo. No final, o que fica são os beijos que te curaram para sempre. As tuas pessoas. Que são o ficar ali. Que são o abraço. Que são o entrelaçar de mãos. Que são o olhar. Que são o sorriso. Que são o beijo. Como se o teu lugar, o teu lugar mais amor do mundo inteiro, fossem as tuas pessoas. No final, o que fica são as tuas pessoas de quem tu és para sempre. O amor. Sempre (e só) o amor. Como se o teu lugar, o teu único lugar do mundo inteiro, fosse o amor. E é. No final, o que fica é o amor. Só. Repito: só. E tanto.

(Texto publicado no Elefante de Papel, aqui.)