Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

menina dos abraços

Um abraço: o meu lugar.

menina dos abraços

Um abraço: o meu lugar.

O (teu) amor muda o mundo.

Há alguém, algures por aí, à espera do seu lugar. O seu lugar-mais-amor do mundo. Onde demorar sem datas de validade. És tu. O teu abraço é o melhor lugar do mundo para alguém. Há alguém, algures por aí, à espera de quem lhe cative o coração. De quem o abrace. De quem o cure. És tu. O teu sorriso abraça corações. Há alguém, algures por aí, de olhos perdidos no vazio. À espera de quem os olhe por dentro. De quem os faça brilhar. És tu. Os teus olhos sorriem e fazem sorrir. Há alguém, algures por aí, à espera de quem fique ali. Ao seu lado e do lado de dentro. Como quem segura. Como quem guarda. És tu. As tuas mãos foram feitas para abraçar outras mãos. Há alguém, algures por aí, à espera de um lugar onde ficar. De um lugar onde morar. Em forma de amor. És tu. O teu coração é a casa de alguém. Há alguém, algures por aí, à espera de um milagre. Que salve do que dói. Que salve do que sufoca. És tu. O teu abraço cura. Há alguém, algures por aí, à espera de um porto de abrigo. Que sossegue medos e tempestades. Onde descansar do mundo. És tu. As tuas mãos são o abrigo de alguém. Há alguém, algures por aí, à espera de quem lhe sinta o coração. De quem lhe sinta a alma. Como quem vê mais longe, com olhos de amor. És tu. O teu coração vê melhor do que os teus olhos. Há alguém, algures por aí, à espera de um sorriso em forma de abraço. De um sorriso tatuado no coração. És tu. O teu abraço faz corações sorrir. Há alguém, algures por aí, à espera de quem lhe mude o dia. De quem lhe mude a vida. E o coração. És tu. O teu sorriso é a melhor parte do dia de alguém. Ouve bem: és tanto (mais do que sabes). Há sempre alguém, algures por aí, a quem tu mudas o mundo. Mesmo sem saberes. Quando abraças. Quando sorris. Quando olhas. Quando abraças mãos. Quando és, quando vives, com amor. Quando amas. O (teu) amor muda o mundo. Sabes? A quantos corações já deste um sorriso?

 

(Texto publicado no Elefante de Papel, aqui.)