Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

menina dos abraços

um abraço: a melhor forma do amor.

menina dos abraços

um abraço: a melhor forma do amor.

Fazer corações sorrir: não é para isso que cá andamos?

Sorrir com o coração.

Dar a mão como quem segura.

Abraçar mais forte.

Olhar mais fundo, olhar a alma.

Falar (e escutar) com amor.

Cuidar de verdade. Para curar.

Um gesto de amor.

Ser do bem.

*

Pode ser a parte mais bonita do dia de alguém.

Pode ser luz na vida de alguém.

Pode fazer sorrir o coração de alguém.

Pode abraçar a alma de alguém.

Pode mudar o mundo de alguém.

Pode ser tanto para alguém.

Pode salvar.

Pode ser o sentido de viver, a razão de existir. E é.

*

Fazer corações sorrir: não é para isso que cá andamos?

Coragem

Que encontremos sempre a coragem de abraçar como quem abriga para sempre.

Que encontremos sempre a coragem de dar a mão como quem conforta tanto.

Que encontremos sempre a coragem de olhar como quem vê mais além.

Que encontremos sempre a coragem de sorrir como quem torna os dias mais bonitos.

Que encontremos sempre a coragem de ser colo como quem cura tudo.

Que encontremos sempre a coragem de falar como quem fala de amor.

Que encontremos sempre a coragem de silenciar como quem escuta o amor.

Que encontremos sempre a coragem de amar como quem muda o mundo.

Que encontremos sempre a coragem de ser do bem como quem é de verdade.

Que encontremos sempre a coragem de ser luz como quem faz acreditar.

Que encontremos sempre a coragem de acreditar como quem se salva no amor.

Que encontremos sempre a coragem do amor.

(Como quem sabe que isso é tudo.)

Que encontremos sempre esta coragem.

Como quem sabe que é este o mais verdadeiro significado de coragem:

Que encontremos sempre a coragem como quem age sempre com o coração.

O meu presente.

O melhor (e único) presente da vida: no meio de tudo e no final de tudo, onde o nosso coração repousa, serena, (de)mora. Onde o nosso coração se ilumina, descobre as coisas mais bonitas e encontra tudo o que importa. Onde o nosso coração sorri e (se) abraça. De verdade. Para sempre.

O melhor (e único) presente da vida: o amor, em forma de gente. A nossa. De todos os dias, de toda a vida. Da vida toda.

Acreditar...

Acreditar que, um dia, a paz ainda nos serena a alma.

Acreditar que, um dia, a luz ainda nos ilumina o caminho.

Acreditar que, um dia, o alento ainda nos abraça os dias.

Acreditar que, um dia, a força ainda nos inunda a vida.

Acreditar que, um dia, um milagre ainda nos salva.

*

Acreditar que, um dia, um olhar ainda nos cura por dentro.

Acreditar que, um dia, um sorriso ainda nos toca o coração.

Acreditar que, um dia, uma mão ainda ampara tudo o que somos.

Acreditar que, um dia, um abraço ainda nos abriga de tudo.

Acreditar que, um dia, um gesto de amor ainda é tudo.

Acreditar que, um dia, a gentileza ainda nos mostra o segredo de viver.

Acreditar que, um dia, alguém ainda nos inspira a ser do bem.

Acreditar que, um dia, nós ainda fazemos corações sorrir.

Acreditar que, um dia, as pessoas ainda se são sempre perto.

Acreditar que, um dia, o amor ainda nos muda o mundo.

Acreditar que, um dia, esse amor ainda nos faz sentido. E ainda é sentido.

*

Acreditar que, um dia, esse dia ainda é todos os dias.

 

(É, não é?)

Avó

IMG_20220516_171844.jpg

Era o sabor a infância e a família reunida.
Era as mãos de trabalho sem fim, os pés sempre descalços, a força que nunca esgotava.
Era o querer dar sempre mais, o querer dar tudo.
Era o refilar engraçado, o correr à volta da mesa e o riso até doer a barriga.
Era a melhor sopa, era só mais um docinho.
Era o trocar-nos os nomes todos, até acertar. "Tu és aquela".
Era o ficar sempre a ver-nos ir, sempre à espera de nos ver voltar.
Era o amor de mãe, de avó, de avó a dobrar.
É para sempre. A iluminar-nos e a abraçar-nos para sempre.

(re)lembrar

Pode ser que, de repente, comece a fazer sentido. Parar e demorar. Parar e demorar num abraço mais forte. Parar e demorar num entrelaçar de mãos mais seguro. Parar e demorar num cruzar de olhares mais fundo. Parar e demorar num sorriso mais cúmplice. Parar e demorar num beijo mais longo. Parar e demorar nas pessoas que são nossas, nas pessoas de quem nós somos. Mais uma e outra vez.

Pode ser que, de repente, comece a fazer sentido. Parar e demorar no amor. Pode ser que, de repente, comece a fazer sentido a única coisa que nunca devia ter deixado de fazer sentido. A única coisa que nos faz viver de verdade. Pode ser que, de repente, comece a fazer sentido o amor. E pode ser que, de repente, além de fazer sentido, comece a ser sentido. O amor.