Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

menina dos abraços

Um abraço. O meu lugar. O (meu) melhor lugar do mundo.

menina dos abraços

Um abraço. O meu lugar. O (meu) melhor lugar do mundo.

este mundo que nos ensinam e nos mostram todos os dias.

eu não quero viver neste mundo que nos ensinam e nos mostram todos os dias. é gigante demais, é pesado. sufoca-nos. traz-nos medo. este mundo que, dizem-nos e mostram-nos, já não é um mundo de amor. não quero, porque, por mais que me digam que é assim e que tem de ser, eu não sei viver nele. não sei viver neste mundo que teima em ensinar-me que é com números que se mede o valor seja do que for. que se esquece que o verdadeiro valor está em não caber sequer em medidas. não sei viver neste mundo que teima em ensinar-me que o amor não chega. que o amor não é tudo o que chega quando mais nada chega. que um abraço não é um agasalho, que um beijo não é um alimento, que um olhar não é uma cura, que as mãos dadas não são uma força, que um sorriso não é um sentido da vida, que um coração não é uma casa. não sei viver neste mundo que teima em ensinar-me que um mundo de amor não existe, que é apenas um conto de fadas. não sei viver neste mundo que teima em ensinar-me que, enquanto eu desafiar as suas leis para ser e viver com o coração, estarei a falhar. não sei. e sei que não vou conseguir aprender. porque, por mais que me digam que é assim e que tem de ser, e por mais que eu ganhe cicatrizes pelo caminho, no final, é sempre o (meu mundo de) amor que me cura.

A vida é sobre o amor.

A vida não é, desengana-te e desengana quem te faz acreditar e sentir que é, sobre os números que vais somando e que te fazem sentir que tens que somar. A vida não é sobre as leis que vais seguindo e que te fazem sentir que tens que seguir. A vida não é sobre as teorias em que vais acreditando e em que te fazem sentir que tens que acreditar. A vida... a vida é sobre o que te enche as medidas do coração até transbordar. E, adivinha, só há uma coisa que o consegue: o amor. A vida é sobre os abraços que se fazem tua casa segura. A vida é sobre as mãos que se entrelaçam nas tuas e te estremecem o coração. A vida é sobre os olhares que te roubam e te contam os segredos mais bonitos. A vida é sobre os sorrisos que te tocam directamente no coração. A vida é sobre os beijos que te curam as dores. A vida é sobre os corações que sentes e ouves bater, e sobre os corações que sentes mesmo sem ouvir bater. A vida é sobre os sonhos que vives de olhos fechados e, ainda mais, de olhos abertos. A vida é sobre as palavras ditas com o coração e sobre os silêncios escutados com o coração. A vida é sobre as lágrimas que secas, e sobre as lágrimas que te secam, com a magia da cumplicidade. A vida é sobre os laços invisíveis, mais fortes que o tempo e a distância, que unem almas e corações. A vida é sobre as tuas pessoas, que te fazem cada vez mais delas também. A vida é sobre as dores de barriga de tanto rir. A vida é sobre as músicas que te arrepiam os sentidos. A vida é sobre as vezes em que olhas para o céu e suspiras mais fundo. A vida é sobre os momentos que se tornam imortais. A vida é sobre os corações que tatuas com a tua vida e sobre as vidas que te tatuam o coração. A vida é sobre ser-se e viver-se com o coração. Desengana-te e desengana quem te faz acreditar e sentir que não: a vida é sobre o amor.

 

(Texto publicado na Plataforma Capazes, aqui)

o segredo da vida pode muito bem ser o sem sentido feito de todo o sentido.

sou feita de abraço, sempre que há braços a fazer-se casa de mim. o segredo da vida pode muito bem ser uma casa feita de abraço. sou feita de sorriso, sempre que há sorrisos a beijar o meu. o segredo da vida pode muito bem ser um beijo feito de sorriso. sou feita de sentir, sempre que há mãos a arrepiar-me os sentidos. o segredo da vida pode muito bem ser um arrepio feito de sentir. sou feita de alma, sempre que há olhos a encontrar-me por dentro. o segredo da vida pode muito bem ser um encontro feito de alma. sou feita de coração, sempre que há corações a compassar as suas batidas com o meu. o segredo da vida pode muito bem ser um compasso feito do bater do coração. sou feita de tanto, sempre que há amor. apenas isso: sou feita de tanto, sempre que há amor. ponto final. mesmo que não faça sentido acabar a frase assim. o segredo da vida pode muito bem ser o sem sentido feito de todo o sentido. sou feita de tanto, sempre que há amor. o segredo da vida pode muito bem ser um amor feito de tanto.

há quem diga.

há quem diga que o amor não vê. e depois há olhos que te invadem a alma, como quem te lê. há quem diga que o amor não abraça. e depois há sorrisos que te cativam o coração, como quem te enlaça. há quem diga que o amor não cura. e depois há abraços que te salvam do mundo, como quem te segura. há quem diga que o amor não toca. e depois há mãos que te sossegam os medos, como quem te suporta. há quem diga que o amor não sente. e depois há corações que te falam em silêncio, como quem te pressente.

menos não (me) chega.

que nunca te chegue o que não te enche as medidas até transbordar. mas que não te encha de sufoco. sufoco só de sorrisos, de amor que não te caiba no coração, na alma, no corpo todo. que nunca te chegue o que não te faz sentir tanto. que nunca te chegue o que não te toca por dentro. que nunca te chegue o que não te brilha nos olhos e no sorriso. que nunca te chegue o que não te abraça com sabor a casa. que nunca te chegue o que não te salva do mundo. que nunca te chegue o que não te sabe ver de olhos fechados. que nunca te chegue o que não te sabe ouvir em silêncio. que nunca te chegue o que não muda o teu mundo. que nunca te chegue o que não te quer para sempre. que nunca te chegue o que não te cura o coração. que nunca te chegue o que não é amor. nunca menos que amor. que nunca te chegue o que não chega para ficar.

multiplica esse segundo, mais e mais.

se te disserem que o amor não cura o mundo, não acredites. por mais teorias que inventem, que te ensinem e que te mostrem, não acredites. diz-lhes que há olhos que te olham dentro da alma. e que o mundo é mais bonito nesse momento. diz-lhes que há sorrisos que te cativam o coração. e que o mundo é mais bonito nesse momento. diz-lhes que há mãos que te abraçam os sentidos. e que o mundo é mais bonito nesse momento. diz-lhes que há abraços que são a tua casa. e que o mundo é mais bonito nesse momento. diz-lhes que há gestos que são feitos de coração. e que o mundo é mais bonito nesse momento. diz-lhes que há silêncios que te contam os segredos mais bonitos do mundo. e que o mundo é mais bonito nesse momento. diz-lhes que há pessoas que são a tua definição de amor. e que o mundo é mais bonito nesse momento. diz-lhes que há corações que sentem e vivem o teu coração. e que o mundo é mais bonito nesse momento. diz-lhes que há cumplicidades que conseguem tirar-te a respiração e salvar-te ao mesmo tempo. e que o mundo é mais bonito nesse momento. diz-lhes que há laços que nem mil anos nem mil distâncias conseguem desenlaçar. e que o mundo é mais bonito nesse momento. diz-lhes que há momentos que se imortalizam em ti. e que o mundo é mais bonito nesse momento. diz-lhes que o segredo da felicidade está em ser-se e viver-se com o coração. e que o mundo é mais bonito nesse momento. diz-lhes que um só segundo de amor já torna o mundo mais bonito. já faz a vida valer a pena. já faz o mundo valer a pena. mesmo que não digas. multiplica esse segundo, mais e mais. mostra-o. vive-o. e se te disserem que o amor não cura o mundo... não acredites, por favor.

há coisas em que eu não acredito.

Não me digam que é com palavras que se fala ao mundo, quando há olhos que, em silêncio, nos invadem a alma e nos contam (e nos roubam) os segredos mais bonitos do mundo. Não me digam que é com números que se mede o valor do mundo, quando há sorrisos que nos cativam o coração e nos sentem (e nos fazem sentir) até ao mais infinito do mundo. Não me digam que a eternidade não existe, quando há mãos que nos abraçam os sentidos e nos tatuam (e se deixam tatuar) com o laço mais imortal do mundo. Não me digam que o mundo já não tem cura, quando há abraços que nos seguram por dentro do que somos e nos salvam (e se salvam) com o amor mais amor do mundo. E não me digam que o amor não cura o mundo. Ou digam, tanto faz. Eu não acredito.

dizem que o amor não cura o mundo. e eu não acredito.

dizem que sou tonta, uma sonhadora, que o amor não cura o mundo. e eu não acredito. a minha mãe diz-me que sou dela, enquanto me puxa para si e me ensina, sem falar, que o seu colo, que me salva do mundo inteiro, está sempre à minha espera. e o mundo é mais bonito nesse momento. o homem mais pequenino do meu coração chama por mim, a esticar-me os bracinhos, com o sorriso a brilhar-lhe dentro dos olhos. e o mundo é mais bonito nesse momento. saio à rua e, às vezes, sou brindada com sorrisos desconhecidos. e outros conhecidos. sorrio de volta, sabendo que há dias que mudam com um sorriso. e o mundo é mais bonito nesse momento. olho para o céu cheio de lua e de estrelas e, nesses instantes, a imortalidade acontece. e o mundo é mais bonito nesse momento. há pessoas que me mostram o lado frio, que dói, do mundo. e depois há pessoas que me entram no coração como quem entra em casa. como quem me sabe e me sente mais além. além do que se vê, além do que se diz. há pessoas que, com palavras e silêncios, com sorrisos e olhares, com gestos e cumplicidade, me cativam o coração para sempre. e o mundo é mais bonito nesse momento. um abraço. um, sempre, tão simples abraço. um abraço e sentir que posso morar nesse abraço para sempre. e o mundo é mais bonito nesse momento. há momentos assim, em que vemos o mundo mais bonito de todos os mundos, mesmo e até de olhos fechados. dizem que o amor não cura o mundo. e eu não acredito.

tanto.

há olhos que te ensinam o amor quando te olham por dentro. há mãos que te ensinam o amor quando não te sabem largar. há sorrisos que te ensinam o amor quando te fazem sorrir mesmo sem querer. há lágrimas que te ensinam o amor quando o coração já não te cabe no peito. há abraços que te ensinam o amor quando te abraçam o corpo, a alma, o coração, todo. há palavras que te ensinam o amor quando te falam com o coração. há silêncios que te ensinam o amor quando te dizem o que as palavras nunca saberão dizer. há gestos que te ensinam o amor quando te fazem parar a respiração. há momentos que te ensinam o amor quando se tatuam em ti para sempre. há pessoas que te ensinam o amor quando o seu coração se torna a tua morada.